FD45D43A-04EE-406D-B527-91C8637C6192

Fonte:Newsmax Health, 22/05/2020

Relatos de vários ensaios nos Estados Unidos e no exterior indicam que um medicamento já aprovado pelo FDA para tratar infecções parasitárias está mostrando resultados “surpreendentes” e pode representar um avanço nos esforços para derrotar o vírus SARS-CoV-2 na pandemia global.

A Ivermectina foi usada em vários ensaios simultâneos em vários países, às vezes em combinação com outros medicamentos comuns.

Os médicos que participaram dos estudos relatam que a carga viral dos pacientes começou a declinar quase imediatamente após o início da administração de Ivermectina, um medicamento prescrito amplamente disponível, aprovado para combater parasitas, sarna e piolhos.

Não foi aprovado para pacientes com COVID-19, mas os médicos familiarizados com os ensaios clínicos descreveram os resultados dos pacientes como dramáticos.

A droga surgiu pela primeira vez como possível terapêutica para o coronavírus em junho, quando um estudo realizado por pesquisadores de Victoria, na Austrália, mostrou que a droga eliminou o vírus em um tubo de ensaio.  Esse resultado promissor levou aos últimos testes.

Na última quinta-feira, uma equipe de médicos norte-americanos liderada pelo Dr. Jean-Jacques Rajter no Broward Health Medical Center em Fort Lauderdale, Flórida, apresentou as conclusões a um conselho de revisão institucional.

250 pacientes com coronavírus participaram do estudo de Broward.

Os resultados foram dramáticos, com “melhoria estatisticamente significativa na mortalidade”.

É importante observar que, embora alguns pacientes estejam recebendo o medicamento em caráter de emergência, em 1º de maio, a FDA publicou o seguinte aviso: “Embora existam usos aprovados para a Ivermectina em pessoas e animais, ele não está aprovado para a prevenção ou tratamento.  do COVID-19.  Você não deve tomar nenhum medicamento para prevenir a COVID-19, a menos que tenha sido prescrito pelo seu médico e adquirido de uma fonte legítima. ”

Em um estudo separado do outro lado do mundo, uma equipe de médicos em Bangladesh informou sexta-feira que administrou uma combinação de Ivermectina e Doxiciclina, um antibiótico comum, a 60 pacientes com coronavírus.

Essa equipe relatou que, 72 horas após o recebimento do medicamento, seus pacientes apresentaram resultado negativo para o vírus e, no quarto dia, haviam se recuperado.  O Dr. Tarek Alam, médico sênior do Hospital da Faculdade de Medicina de Bangladesh, disse ao ZeeNews da Índia que os resultados foram “surpreendentes” e disse que todos os pacientes “experimentaram recuperações completas”.

Uma razão pela qual o FDA é cauteloso é que o medicamento pode interagir com outros medicamentos e, em alguns casos, pode causar complicações como náusea, diarréia, dor de estômago, tontura, queda súbita da pressão arterial, problemas hepáticos e outros efeitos colaterais.

A Fundação Gates está financiando um terceiro estudo clínico da Ivermectina na França.

O Dr. Peter Hibberd, de Palm Beach, Flórida, disse que os ensaios com ivermectina indicam que é uma “terapia eficaz” que forneceria uma ponte para uma vacina e reduziria potencialmente o risco de contrair o vírus.

TL comenta:

A Ivermectina faz parte dos protocolos que vem sendo seguidos nos hospitais da rede privada de Natal.

Também é usada como profilática pelos trabalhadores da saúde que atuam na linha de frente.

Nas farmácias, já é artigo difícil de ser encontrado.

Comentários do Facebook

Comentários do Site

  1. observanatal
    Responder

    Marcos Pontes já tentou falar inúmeras vezes sobre o uso da Ivermectina, ninguém ouviu, sendo ministro da ciência.
    Gostaria de saber a fixação de tantas pessoas com a cloroquina.

    • Domicio Arruda
      Responder

      Os trabalhos são muito recentes.
      Em Natal, a rede privada está tendo um desempenho muito superior.
      O segredo é o tratamento precoce.
      Os 2 principais planos de saúde não registram nenhum óbito nos últimos dez dias. As internações em UTIs estão diminuindo.
      Esperar o agravo da doença é aumentar as internações.

  2. Geraldo Batista de Araújo
    Responder

    Embora apreciando, como falava meu pai, não posso elogiar, pois sai aquele velho chavão. Você já disse isso. Vai dá.

  3. Joaquim Wallace Barbosa Cavalcanti
    Responder

    MEXENDO EM ABELHAS COM VARAS CURTAS
    Esses virus ou viroses estão em meio de nós, não por contato veicular geralmente por injeção. Eles tendem a se naturalizar, por que onde chegam buscam a se ambientar, faceiramente e conviverem, sem que sejam percebidos ou perturbados. E se, por acaso lhes acontecem, partem em busca de acomodações, reprodução, sobrevivência, sempre agregados a nosso organismo, sem noção se incômodos ou não a nossa natureza ou a nossas necessidades, prioritariamente: eu, alienadamente em pleno desespero, aconselharia aos amigos ou amigas um Ante-inflamatório natural associado a um Ante-alérgico numa valsa de 12 dias, com desmame, em despedidas…

  4. SOLONEL CAMPOS DRUMOND JUNIOR
    Responder

    O que a esquerda, principalmente os governadores e a imprensa estão promovendo no Brasil é um verdadeiro GENOCÍDIO.
    Os governadores, com a finalidade de aumentar as verbas de socorro federal, e a imprensa irresponsável, como maneira de pressionar o governo federal a voltar as verbas imensas de propaganda dos governos anteriores.
    Minha esperança é a de que estes irresponsáveis sejam um dia responsabilizados criminalmente pelo que estão fazendo.

  5. Victor Hugo Campos
    Responder

    Interessante, mas coloquem fontes no seu artigo. Nao tem um linkzinho pra qualquer um desses estudos.

Deixe uma resposta para observanatal Cancelar resposta