25 de abril de 2024
AviaçãoRio Grande do Norte

Azul implanta programa de uso consciente de combustível no Aeroporto Internacional de Natal

Em parceria com a Azul Linhas Aéreas, o Aeroporto Internacional de Natal – Governador Aluízio Alves, localizado em São Gonçalo do Amarante (RN), a 40 km da capital do estado, passa a adotar o conjunto de ações para reduzir ao máximo o uso do APU durante o momento do embarque e desembarque dos voos da companhia.

Com essa decisão, a principal base da Azul no Rio Grande do Norte integra agora a lista das 16 bases da Azul no país que colaboram para reduzir em até 73% o uso de querosene das aeronaves enquanto elas estão em solo.

O Auxiliary Power Unit (APU) – ou, em português, Unidade Auxiliar de Energia – é um motor auxiliar, geralmente localizado na cauda de alguns aviões, e que é acionado para manter os sistemas ligados quando a aeronave está em solo. Com o programa e a parceria dos aeroportos, ao pousar, os voos da Azul são imediatamente recebidos com fonte externa de energia elétrica e ar-condicionado, garantindo conforto aos Clientes que embarcam e desembarcam – isso tudo sem que o APU seja ligado e consuma parte do combustível da aeronave.

O programa APU Zero já completou um ano. A primeira base a aderir ao APU Zero em abril de 2022 foi o Aeroporto de Viracopos (VCP).  Atualmente, já são 16 bases pelo país: incluindo além de VCP e, agora, o Aeroporto Internacional de Natal (NAT), os aeroportos de São Luís (SLZ), Vitória (VIX), Goiânia (GYN), Curitiba (CWB), Belém (BEL), Florianópolis (FLN), Congonhas (CGH), Confins (CNF), Brasília (BSB), Rio de Janeiro (SDU), Cuiabá (CGB), Recife (REC), Salvador (SSA) e Manaus (MAO).

Segundo Daniel Tkacz, Vice-Presidente de Operações da Azul, os resultados do APU Zero até agora têm estimulado cada vez mais o crescimento do programa e o interesse de novos aeroportos por onde circulam os mais de 900 voos da companhia diariamente. “O uso de APU em solo, nas bases que adotam o nosso programa, caiu de 42%, em abril do ano passado, para 14%, em abril deste ano. E isso resultou em uma diminuição de 73% no combustível consumido em solo –o que evitou a emissão de 49 mil toneladas de CO2 na atmosfera. Só em nossa base de Natal (NAT), a previsão é de que o uso de APU – que hoje é de 73% — caia em breve para 32%”, explica Tkacz.

Todos esses resultados têm motivado a ampliação do programa, e a quantidade de bases parceiras não deve parar por aí. A previsão é de que, até o final do ano, 20 dos principais aeroportos do Brasil já estejam preparados para apoiar e adotar o APU Zero.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *