26 de fevereiro de 2024
Turismo

Conhecer ou rever Santiago do Chile. Sempre um belo programa

Torre do Costanera Center. Santiago avança

SANTIAGO – Passar um final de semana em Santiago sempre vale a pena.  Agregue mais dois dias, programa fechado. Ainda mais quando o custo da passagem aérea a partir de Natal são meros sete mil pontos por trecho. Foi o caso do jornalista, um descobridor de pechinchas. Viajandão de oportunidades.

Ou seja: casal a 28 mil pontos na Tam, ida e volta. Aí é Santiago na cabeça. O normal é algo como 20 mil pontos por pessoa. Fiquem atentos, webleitores viajantes. Há sempre promoções não divulgadas na calada da madrugada.

Mas o que fazer em Santiago? O que rever ou descobrir? Onde se hospedar? Vamos lá: só a gastronomia já compensa, se você gostar de mariscos e de frutos do mar em geral (e Santiago tem cada restaurante peruano… cada ceviche…). Desculpe, Chile. Mas o tempero do Peru…

Os dois restaurantes mais badalados no nomento sao o Aqui está Coco (tem mais de dez anos) e o Como Água para Chocolate, que faz o estilo romântico, com direito a pianista. Esqueça aquele restaurante giratório da Providência. Faz parte do passado gastronômico chileno.

Shoppings em Santiago não compensam (para comprar), apesar da variedade e da imponência do Costanera, do Parque Arauco e do Alto Las Condes. É tudo caro para nossa moeda. E quem vem ao Chile geralmente já passou pelos EUA alguma vez… Aí sim, qualquer roupinha vale a pena.

Mas passear é ótimo. Sobretudo no Chile de um friozinho ensolarado nesta época do ano. Se não conhece o Centro, visite o Palácio de La Moneda, o Museu de Belas Artes, as praças das Armas e da Constituiçao, além do Mercado Central com seus inúmeros restaurantes, como o Donde Augusto. Mas se já pagou essa “matéria”, outra Santiago mais bacana lhe espera.

Las Condes: arquitetura arrojada, negócios, gastronomia e Turismo

O bairro Bellavista, bem descolado e artístico, é sempre uma boa alternativa, sobretudo no fim de tarde. Tem ateliês, galerias de arte, clima despojado e bares bem interessantes. Já o circuito gastronômico do bairro da Providência está perdendo o glamour. Micou, apesar da efervescência da rua Suécia. Há muita gente pelas ruas. Buzinas. Trânsito. É o novo “Centro” de Santiago.

Para se hospedar, a melhor dica é o bairro de Las Condes, misto de centro empresarial com ruas residenciais e polos gastronômicos. A Isidora Goyenechea é uma das avenidas mais indicadas para jantar. Lembra um pouco os Jardins, em São Paulo. Tem quase 20 opções. Variadas e saborosas. Outra dica é o Border Rio, polo gastronômico de alto nível, com restaurantes estilosos. Um pouquinho longe, mas compensa.

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *