3 de dezembro de 2023
EcoturismoSustentabilidade

Como o Turismo Sustentável está transformando a vida de comunidades tradicionais brasileiras

Uma viagem pode ser um momento especial para um viajante e, ao mesmo tempo, fazer bem para as comunidades que o recebem e para o planeta? A Vivalá – Turismo Sustentável no Brasil prova que sim.

Completando 7 anos de existência, o negócio social realiza Expedições dentro de Unidades de Conservação brasileiras, em parceria com indígenas, ribeirinhos, quilombolas, sertanejos e outras populações tradicionais que vivem ali. Ao mesmo tempo em que os viajantes vivem experiências autênticas e exclusivas, a viagem também contribui para a valorização cultural, injeção de dinheiro nas economias locais e preservação dos biomas.

“A Vivalá nasceu com a missão de transformar o Brasil em referência em destinos sustentáveis e encontrar formas cada vez mais assertivas para valorizar e contribuir com comunidades tradicionais locais. Temos parceria com mais de 130 parceiros comunitários, com centenas de pessoas atuando em nossas vivências. Desde 2017, quando começamos as expedições, até este ano, conseguimos injetar mais de R$ 1,4 milhão nas comunidades indígenas, ribeirinhas, quilombolas, caiçaras e sertanejas através da compra de serviços de base comunitária. Levamos seis anos para atingir o primeiro milhão e, provavelmente, atingiremos o segundo milhão em apenas um ano, diminuindo esse tempo a cada milhão injetado e aumentando a qualidade de vida dessas comunidades de forma exponencial”, projeta Pedro Gayotto, cofundador e diretor de operações da Vivalá.

Para garantir que a sustentabilidade não fique apenas no discurso e tenha efeitos práticos, os números são essenciais. Por meio dos indicadores de impacto socioambiental, a Vivalá pode medir objetivamente o resultado das suas ações e orientar decisões futuras. Até outubro de 2022, já são 94 expedições em grupo realizadas em 10 unidades de conservação nacional, com mais de 1.400 viajantes de 10 países e 7.300 horas de voluntariado aplicadas principalmente na capacitação profissional de 197 negócios locais.

Esses resultados já renderam à Vivalá 10 prêmios e reconhecimentos nacionais e internacionais importantes em sua trajetória, sendo convidada para compor a rede Young Leaders of Américas do Departamento de Estado Americano em 2018, premiada como a agência mais sustentável do Brasil em 2019 pela ONU, Organização Mundial do Turismo e Braztoa, além de ter sido escolhida, em 2021, pela Fundação Grupo Boticário, Aceleradora 100+ da Ambev e PPA e iniciativa global da Yunus & Youth para fazer parte de seus programas de aceleração. Em 2022, recebeu investimentos da AMAZ, Harvard Angels, Synthase, entre outros, para acelerar seu crescimento e impacto socioambiental, que prevê a injeção de até R$ 30 milhões em comunidades tradicionais até 2032 e a realização de 120 mil horas de voluntariado nas frentes de saúde, educação, meio ambiente e bioeconomia.

Com foco na segurança das Expedições, a Vivalá também acaba de se associar a ABETA, a Associação Brasileiras das Empresas de Ecoturismo e Turismo de Aventura, entidade civil sem fins lucrativos e econômicos, considerada a maior referência na criação de normas para segurança no Turismo Sustentável e Ecoturismo. “Acreditamos muito no poder dessa rede de empresas e organizações associadas à ABETA. Foi com base nas normas da ABNT e ISO, orientadas pela Associação, que nos baseamos para construir nosso sistema de gestão de segurança de todos os roteiros de turismo construídos em 2022. Isso também é motivo para comemoração”, reforça o diretor de operações. 

Luiz Del Vigna, diretor da ABETA, diz que a entrada da Vivalá como nova associada é um passo claro da organização rumo ao turismo de aventura e que mostra uma preocupação e atuação ainda maior com respeito a protocolos de segurança e solidez nos trabalhos. “A Vivalá prova que tem seus negócios estabelecidos e agora soma forças com os cerca de 150 outros associados do mercado de ecoturismo que já integram a associação”. 

Atualmente, a Vivalá atua em oito destinos no Brasil, entre os biomas da Amazônia, Cerrado e Caatinga com três modalidades de Expedições: Turismo de Base Comunitária (TBC), com foco na conexão com a natureza e imersão na cultura dos povos tradicionais; Volunturismo, que combina o TBC com trabalho voluntário em saúde, educação, meio ambiente e bioeconomia; e TBC de Aventura, que inclui atividades esportivas e radicais junto à natureza como trekkings, hikings e caiaque. Até o fim do próximo ano, a expectativa é chegar em 20, abrangendo grande parte dos biomas do Brasil. 

Para celebrar o aniversário de 7 anos e dar ainda mais acessibilidade para que mais pessoas vivam experiências no Brasil profundo, a Vivalá lançará, no mês de novembro, uma promoção em que vai oferecer 100 vagas em Expedições de Turismo Sustentável com os maiores descontos de sua história.

Para Daniel Cabrera, cofundador e diretor executivo da Vivalá, a tendência pós-pandemia é de as pessoas buscarem experiências cada vez mais autênticas e sustentáveis. “O que estamos percebendo desde o fim de 2021, quando retomamos nossas viagens, é que muitas pessoas estão viajando pela primeira vez para destinos de natureza e em Unidades de Conservação, motivadas, justamente, pela busca de experiências mais responsáveis com o meio ambiente e distantes do turismo predatório”, conta. 

Para conhecer os destinos oferecidos pela Vivalá e garantir as vagas com desconto nas próximas Expedições, acesse:  www.vivala.com.br.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *